Pages

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Tricksters - parte II



Não esqueça de ler antes - Tricksters Parte I

O que se descortinou diante de seus olhos foi uma sucessão de atrocidades. Seu irmão foi agarrado, surrado, teve as roupas arrancadas e então, quando já não possuia mais forças para gritar, abandonado semi morto em meio ao matagal.




Abriu os olhos no susto. Estava em casa, na cama, como sempre... Mais de um ano já se passara e aquelas imagens ainda a torturavam nos sonhos. O que seriam eles? Por que destruir assim, por pura crueldade, a vida de um menininho de apenas oito primaveras, tão doce e com tanto pela frente. Naquela época não fazia ideia o tamanho de seu amor por ele. Só sabemos a importância das coisas no momento que as perdemos. De repente algo estalou em sua cabeça. Havia alguém que poderia ajudá-la, uma pessoa que passou pela mesma situação. Rapidamente reuniu tecidos para uma corda, saindo de seu quarto sem ser vista.  

A única maneira de se salvar agora era alcançar a cabana de Helayel, e tinha consciência que o percurso não seria fácil. Caminhou por horas, afastando-se cada vez mais da cidade, até que ao cair das noite encontrou o que buscava.


- Mestre Helayel?


- Vá embora criança.


- Preciso de ajuda! Eu sei o que viu e acredito no senhor, eu vi também. Tiraram meu irmão de mim, mas ninguém me leva a sério. Por favor...


Uma fresta se abriu na porta e ela pôde ver um emaranhado de cabelos brancos surgir juntamente com um olho de coloração azul leitoso.


- Estava na floresta com Fazza e eles estavam do outro lado dos arbustos. Não imaginei nada, nem perdi o juízo, eu juro! - as palavras a atropelavam e roubavam seu fôlego.


- Shh criança – a porta se abriu mais – entre e tome um chá. Sei quem você é e o que busca. Não precisa ter medo pequena, veio ao lugar certo.


A menina entrou, ainda um tanto incerta, mas em seu coração sabia que ele era o único a acreditar nela. O ancião, anos atrás, se afastou pelo mesmo motivo pelo qual agora todos a consideravam louca. O homem havia tido contato com eles também, e conhecia melhor que ninguém os meios para se vingar.




Depois de ouvir o relato de Kalis, o velho ponderava a melhor maneira de proceder, tinha tanto ódio deles quanto ela. Muitos anos atrás, o deixaram cego de um olho e eternamente manco da perna esquerda. Por sorte não tivera o destino de Fazza. Durante vinte anos se dedicou a estudar tais seres e a tudo que poderia afetá-los. Após algumas horas de conversa ambos estavam decididos: A menina iria treinar secretamente e lavaria a honra de sua família e a de seu mestre – que já não tinha força nem idade para batalhas.


O dia já amanhecia quando se despediram, e a mocinha fez então a pergunta que tanto lhe martelava a mente.


- Quem são, mestre? Por que fazem isso?


*************


A porta se abriu e os primeiros raios da manhã já atingiam em cheio seus olhos. Nesse momento, pela primeira vez na vida, Kalis bendizia o fato de os pais dormirem até muito tarde.


Seu treinamento teve inicio na noite seguinte, e luas depois ela finalmente estava pronta. Agora os dois tinham apenas uma certeza: A jovem era uma predadora, e aqueles desgraçados tinham motivo de sobra para tremer.




A tarde estava morna quando ela chegou ao local certo. Aguardaria o quanto fosse necessário, que para sua sorte foram poucos minutos apenas. Ao vê-los, seu coração se encheu de ódio. Eram os mesmos que tinham matado seu irmão. Riam e dançavam como se nada os perturbasse a consciência. Hipócritas! Saindo do meio dos arbustos, pôde ver o medo estampado em suas faces. Não sabia dizer se o maior motivo eram as armas que trazia em punho ou o brilhante par de asas em suas costas. Única coisa que os diferenciava. Nesse momento lembrou-se da resposta de seu mestre: 


“ - São chamados de seres humanos, criança. Eles fazem aquilo que seu instinto lhes diz: Temem o diferente e destroem tudo o que temem... A não ser que sejam destruidos primeiro!” 


Um sorriso sádico surgiu em seus lábios enquanto, em meio aos gritos de desespero, disse:


- E então? Quem quer brincar?

Nenhum comentário:

Postar um comentário