Pages

sexta-feira, 31 de maio de 2013

O Reino da Morte

Era uma vez um reino.
O reino não era um reino comum, como os reinos do norte e do sul. Era negro e vazio. Nele vivia somente o Rei. Sozinho. Não tinha nome, apenas era chamado O Rei, O Soberano, O Grande.
O Impiedoso.
Sentava-se majestosamente em um rico trono feito de corpos e sangue.
Seus súditos eram fantasmas. Seu palácio era a Loucura.
Seu reino se chamava Morte.


Até o dia em que seu conselheiro lhe disse que a própria Morte, sim, a mulher de asas negras e olhos famintos, estava chegando. Para o Rei.
“Impossível!”, dissera o Rei.
“Ela está chegando. Como chegou para todos nós... quando Vossa Majestade nos matou.”, foram as palavras do conselheiro. Sua cabeça estava literalmente aos pés do Rei – debaixo deles.
“NÃO!”, foi a resposta do Rei. “Eu ordeno!”
Mas a Morte não poupa suas vítimas, mesmo que ela seja Seu Próprio Rei. A Morte não é governada a não ser por Sua Própria Majestade.
E naquela noite escura e solitária, quando apenas os ventos do norte sopravam gelados e o
sussurro dos fantasmas era sua única companhia, o Rei sentiu as mãos de todas as almas que tirou a vida em torno de seu pescoço, como cordas finas penetrando na sua carne. O sangue real e azul jorrava aos borbotões.
Porém, a Morte consegue ser ainda mais impiedosa. Para alguns, Ela não é suficiente. Havia ainda um último e solitário resquício de amor no coração endurecido do Rei e a Morte, ardilosa, aproveitou-se disso.
O Rei tinha uma filha, a Princesa. Era a última coisa que amava no mundo e, portanto, trancou-a na torre de seu castelo, para protegê-la do mundo cruel e frio que havia do outro lado daquelas paredes. Foi então que a Morte se apercebeu da pobre moça e, atentando à oportunidade única de punir o Rei com a crueldade que ele mesmo dispensava às suas vítimas, a Morte tomou a vida da Princesa em um único sopro.
“Não!”, o Rei implorou, esquecendo-se de sua arrogância, mas era tarde demais para arrependimentos.
A última visão do Rei foi Dela, sua verdadeira Rainha, a Morte, levando o seu último sopro de humanidade. A Princesa caiu a seus pés, sem vida, enquanto a Morte gargalhava com seus olhos negros e profundos, suas asas cor de escuridão, sua respiração rascante, sua calma sonolenta, suas garras pálidas ao redor do corpo do seu amor. A Morte, como todos sabiam naquele reino, levava os bons e se alimentava dos maus até o último osso, até a última gota de sangue. Seu prato preferido era amargo como a maldade.

E aquela noite ela estava faminta. 

2 comentários:

  1. Imagens interessantes que você passou. Normalmente eu penso em personificações da Morte menos violentas, e mais impassíveis - como a que teve em American Horror Story ou Supernatural. Mas gostei da sua personificação e, principalmente, da forma como apresentaste o texto.

    Parabéns e até outras sextas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Bruno! Eu também gosto bastante da Morte em American Horror Story, a segunda temporada conseguiu ser muito melhor que a primeira, que já foi ótima. =)
      Mas existem inúmeras interpretações da Morte... Fico feliz que tenha gostado da minha. Fico esperando-o por aqui nas sextas-feiras!

      Excluir